sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Vacina contra dengue chega em cinco anos

Um protótipo de vacina para dengue está sendo testado em seres humanos no Estado do Espírito Santo e deverá estar aprovado para uso em larga escala dentro de três a cinco anos. Enquanto a vacina não chega, o poder público lança mão dos meios mais tradicionais de luta contra a proliferação do mosquito Aedes aegypti, que este ano já provocou um total de 936.200 notificações em todo o País, até o dia 10 de outubro.
O anúncio sobre a vacina foi feito pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que esteve nesta quinta-feira, 18, em Salvador, onde participou da abertura do 1º Encontro Estadual de Regularização da Saúde no SUS-BA, no Hotel Othon, em Ondina. Na oportunidade, o ministro lançou a Campanha Nacional de Combate à Dengue de 2010, fazendo uma explanação sobre a situação da doença no País, com base no estudo Risco Dengue, cujos resultados foram divulgados em setembro.
O levantamento apontou os dez estados brasileiros com maior risco de enfrentar epidemia de dengue no verão 2010/2011, ranking no qual está inserida a Bahia. As dez unidades da federação estão recebendo a visita de mobilização do ministro, que, antes de aterrissar na Bahia, passou por Sergipe, Ceará e Piauí e agora segue para Pernambuco, Amazonas, Amapá, Maranhão, Paraíba e Rio de Janeiro.
“Gostaria de estar aqui anunciando a vacina. Enquanto não é possível, usaremos outras armas”, disse Temporão, ao iniciar sua fala. Estiveram presentes no evento os secretários de Saúde do Estado, Jorge Solla, e de Salvador, José Rodrigues Saturnino, a diretora do Conselho Nacional de Secretários Estaduais (Conass), Suzana Ribeiro, além de integrantes que compõem as equipes de saúde nas áreas federal, estadual e municipal.
A educação da população, maior aliada na luta contra o mosquito transmissor da dengue, é a principal estratégia do poder público, que promete intensa divulgação das formas de prevenção, inclusive com peças publicitárias mais incisivas, que mostrem o risco de óbito. Este ano, a dengue teve 14.342 notificações da forma grave e matou 592 pessoas no Brasil. Em 2009, foram 8.714 casos graves, com 312 óbitos.
“Vamos intensificar a ação dos agentes de endemias, principalmente orientando sobre a importância da colaboração da população”, informou o secretário da Saúde de Salvador, José Rodrigues. A capital baiana tem hoje 1,7 mil agentes de endemias, número considerado suficiente pelo secretário. Porém, ele declarou que a equipe deve receber reforço de 150 trabalhadores temporários durante o verão, para suprir aqueles que estarão de férias.
Salvador é a capital brasileira com o terceiro maior Liraa – Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti, que atingiu 3,5 este ano, ficando atrás apenas de Rio Branco (6,5) e Porto Velho (4,3). O Liraa de Salvador em 2009 foi de 2,6.